A ANGÚSTIA DE LIANDRA

Enquanto tia e sobrinha preparavam doces e salgados do sustento diário, ambas conversavam.


− Eu não sei que sentimento seria aquele, tia.

− Que sentimento, Milena?

−... Eu não sei que sentimento seria...

− Bem, Milena, quando descobrir que sentimento seria, me fale...

− Tia, a mãe de Liandra Florença, 24 anos, havia falecido recentemente. Então, Liandra, enfurecida, queria saber como foi que o senhor Sanches, 49 anos havia conhecido a mãe dela. Sem dar direito de resposta, pois não fechava a matraca, dizia que ele era um João Ninguém, mal sabia se expressar e, se imaginava contabilizar alguma ponta financeira, podia tirar o “cavalo da chuva”. Deveria se enxergar. Ali havia um espelho. Se mirasse, logo descobriria a porcaria do homem que era.

− Qual o motivo do rancor, Milena?

− Seria rancor, tia?

− Pelas ofensas dirigidas, creio que sim, Milena. Suponho que o senhor Sanches, além de ter maltratado a saudosa mãezinha, estava de olho em alguma importância.

− Escute, tia, o senhor Sanches e a falecida senhora Agda Florença mantiveram um relacionamento. Se houve “rala e rola” entre eles, suponho que seja natural que tenha havido. Porém, o palpável foi que, num curto espaço de tempo, mantiveram um relacionamento amoroso no exato sentido da palavra.

− Amor e não paixão.

− Isso, tia. O senhor Sanches e a senhorita Liandra conversavam em uma das residências da família Florença. Liandra, com uma conversa sentimental no telefone, havia dito a ele que estava ansiosa para saber como teriam sido os últimos dias da mãe ao lado do homem que amava. Atraiu-o para ali, tia. E, assim que ele chegou, começou a ‘soltar os cachorros’ em cima do pacífico cidadão. A irritada Liandra não exigia que o senhor Sanches revelasse como se conheceram? Pois bem. Conheceram-se numa certa manhã de terça−feira. Alguém havia indicado Agda Florença a Hambúrgueres Sanches. Uma portinha. Porém, churrasco de inigualável sabor. O senhor Sanches, após ter preparado o hambúrguer e servido à cliente, pediu licença e, num ato singelo, ajeitou o colarinho da blusa dela e disse que daquele modo estava ótima. Ela, sem ação, voltou a ajeitar os cabelos e replicou que a fez lembrar-se do pai dela.

− Tinha idade para isso, Milena?

− Não, tia. Na ocasião ela tinha 44 anos e ele 47. Referia-se ao gesto de cuidado. Sem perderem o fio da miada, reviveram a infância, e a conversa mergulhou em tolices. Foi o ponto alto das asneiras trocadas as longas gargalhadas. Momento, no entanto, de descontração interrompido com a presença de um senhor que informou a ela que o pessoal estava aguardando−a. Ela, com os olhos marejados de rir, disse que a despesa seria paga e se retirou. Então, tia, o senhor Sanches, ao ter mais ou menos assim contado a Liandra como haviam se conhecido. Ela replicou que ele evidentemente queria se aproveitar de Agda Florença.

− Era verdade, Milena?

− Verdade o quê, tia? Ele lá sabia quem era Agda Florença? Porém, momentos depois, uma jovem encarregada de pagar a despesa revelou quem era a tal Agda Florença. E fuxicou dizendo que ele havia conquistado o coração dela. A explicação de como se conheceram abrandou a ira de Liandra? Que nada, tia, a irritou mais ainda. Era ele um gigolô de quinta cujas meias e cuecas e até mesmo o creme de cabelo que usava pertenciam à mãe dela. Ela mentia? Não, tia. Mas a história não era bem aquela. Ele, patrocinado pela amada, passou a se vestir requintadamente. O que é natural, não é, tia? Afinal era Agada Florença.

− De fato, Milena.

− As ofensas e humilhações continuaram. Então, quando o senhor Sanches não mais suportou, sem perder a postura de um homem maduro, disse superficialmente uma coisa que a arrasou. Nocauteou-a de vez, tia. Ela o olhou desfeita, sentou−se na poltrona e passou a chorar incontrolada.

− O que foi que ele disse, Milena?

− Ele sabia do motivo de ela ter se tornado inimiga da mãe.

− Qual o motivo, Milena, de ela ter se afastado da mãe?

− Assim responderei, tia, aposto que vai entender. Agda Florença fora capa de revista, modelo e ultimamente era estilista.

− Seria motivo de orgulho para a filha, Milena.

− Pois é, tia. Mas a Liandra apenas fracassava.

− Meu Deus!

− O senhor Sanches, após ter dito aquilo, se retirou. Entrou no seu humilde automóvel e partiu.

− Uma curiosidade, Milena.

− Pois não, tia.

− Depois do encontro casual havido entre os senhores Sanches e Agda Florença, quem procurou quem?

− A senhora Agda, tia. Passou a frequentar a portinhola Hambúrgueres Sanches. A afeição entre eles foi crescendo...

− Apaixonaram−se.

− Sim... No entanto, tia. Não posso afirmar se houve ou se há relação. A senhora Agda já vinha se desgastando com a filha já que a primeira frustração da garota desejosa ocorrera aos 18 anos de idade. Quando eles passaram a se relacionar, a ira da obcecada filha explodiu. Muitos dichotes dirigia a mãe. O mau, tia, surgido do nada? Irradiou a galope. O senhor Sanches visitou a amada no hospital todo santo dia. Visita que um dia foi interrompida por Deus.

− Muito triste, Milena. Muito triste. Inconcebível inveja.

− Inveja não é, tia?

− Inveja, Milena.

− Senti−me envergonhada para assim dizer, tia.

− Percebi Milena.