*O FANTASMA DE TARCO POEN

Madrugada na pequena cidade de Plim. Richer, 34 anos, ao despertar do sono, pressentiu que havia alguém no passeio da residência. À janela, ao afastar cuidadosamente a cortina, avistou, através do vidro, a medonha figura de um homem: punhal na cintura, casaco de couro e chapéu. Apreensivo, recolheu a cortina, escutando, em tempo, o estranho homem dizer que se chamava Tarco Poen, e que procurava pelo delegado Nore Noral Filho.
– Transmita-lhe o recado. - ainda ouviu.
Voltando a afastar a cortina, viu o homem partir.
– O que faz à janela? - perguntou-lhe a esposa, que havia despertado.
Sentando-se na cama, desfeito, lhe contou.
– Que estranho, a delegacia fica a menos de duzentos metros daqui. - comentou ela.
– Muito estranho. - replicou ele.
Ela, dum salto, ao chegar à janela, não o avistando, acreditou:
– Dobrou a esquina.
Richer, pela manhã, alterando o itinerário do trabalho, passou na delegacia e, ao transmitir o recado ao delegado, fora agarrado pela gola da camisa, que o exigiu, aos gritos pejorativos, que repetisse a conversa. Mas, então salvo, encontrava-se no pátio da delegacia acercado pelos policias que o salvaram.
– Não. Não sou daqui. Mudamo-nos a menos de um mês. - respondeu o atônito Richer à pergunta que lhe fora feita.
Outro policial, mostrando-lhe fotos, perguntou se fora o sujeito em destaque.
– Ele mesmo. - confirmou.
Os policiais se olharam, culminando em um deles dizer que Tarco Poen encontrava-se a sete palmos debaixo da terra. Morto, portanto, há vinte e cinco anos; abatido na praça da igreja com mais de cinquenta tiros.
– Mas estou convencido de que tenha sido ele. - sustentou.
Todavia, a entrevista foi encerrada. O delegado Dr. Nore Noral Filho, em pose austera, havia surgido no pátio.
O assunto não era outro na pequena Plim. Richer chegou a casa, à noite. A esposa limitou-se em dizer-lhe que o vizinho, o senhor Nistral, desejava conversar com ele.
– O que deseja ele?
– Banhe-se, jante, e vá visitá-lo. - orientou.
O senhor Nistral, após apresentar-se, mandou-o sentar, perguntando-lhe se havia conversado com alguém a respeito do assunto.
– Sou topógrafo, trabalho na mata. - respondeu.
Foi então que o vizinho lhe contou que Tarco Poen fora um matador temido, capturado e morto graças a uma emboscada comandada pelo então falecido delegado “calça-curta”, senhor Nore, pai do Dr. Nore Noral Filho. Empolgado com a brava ação, ao retornar da emboscada, procurou pelo filho de Tarco Poen, um garoto de seis anos de idade, e o matou com um tiro na cabeça, justificando que filho de peixe peixinho era.
– Barbaridade.
– Esta história, senhor Richer, já estava esquecida. Quero dizer-lhe, para que o senhor entenda, que o Dr. Nore Noral Filho, então delegado, há dois anos, vem trabalhando para candidatar-se a prefeito nas próximas eleições.
– …!
– A residência que os senhores ocupam pertenceu à amante predileta do senhor Nore. Nela que este desrespeitoso senhor, casado, passava a maioria das noites… A política nessa cidade, senhor Richer, tem apenas um único dono: a família Noral. Tanto a situação quanto a oposição são lideradas por essa família, e o Dr. Nore Noral Filho nada mais é que um Noral.
Richer, após meditar sobre o que escutara, é servido pela esposa do Senhor Nistral, que lhe oferece biscoitos.
– Bonitona e simpática a sua esposa, senhor Richer. Percebo que são jovens. - disse ela.
– … Alguma recomendação omissa? - indagou o visitante.
– Apesar do pesar, senhor Richer, - interveio o senhor Nistral – a política nesta cidade corre aquecida, a elevado grau, no sangue dessa gente.
– …!


Inquiri a esposa de Richer assustada:
– Diz que deixaremos a cidade ainda esta noite?
– É o melhor que deveremos fazer, senão poderemos ser hostilizados.
– E o seu trabalho?
– Retornaremos à capital, lá contarei aos supervisores.
Enquanto Richer e a esposa mergulhavam no carro e partiam, a família Noral, através do telefone, começava a se digladiar.
– Armação minha um cacete, primo! Está se esquecendo da baralhada que é a nossa família? Portanto, ressuscitando o passado imundo de titio, estaria expondo todos à rejeição.
– E quem teria ressuscitado Tarco Poen? - quis saber o Dr. Nore Noral Filho.
– Sou eu quem vai saber? Por algum momento, pensamos ter sido você quem criou a situação para nos acusar e boiar como vítima.
– Isso teria cabimento, primo?
– E teria cabimento ter partido de algum de nós?!
Naquele fogo cruzado, os dias passavam. Porém, numa madrugada, o Dr. Nore Noral Filho, ao sair de um bar, fora num estilo próprio de Tarco Poen, morto ao sabor de impiedosas facadas. Durante o sepultamento, realizado no dia seguinte, a família Noral, surpreendendo a todos, firmou ali mesmo um pacto, cujo teor era de se afastarem definitivamente da política. O senhor Richer e a esposa, bem como os parcos e humildes familiares de Tarco Poen, foram intimados e ouvidos. Porém, oferecido subsídios inconsistentes, o processo fora arquivado, ignorando-se, até os dias de hoje, a autoria do assassinato do Dr. Nore Noral Filho. Todavia, foi unânime o convencimento da população de Plim de que o Dr. Nore Noral Filho tinha sido vingado pelo atormentado fantasma de Tarco Poen.