SEPARAÇÃO - DIVÓRCIO

O casal Holara e Delena rebelam-se numa fase não mais apropriada, machucam saudável relação amorosa que implica num tempestuoso divórcio.


No Hotel Pousada Marte, localizado à margem da Rodovia Trepidante, era possível se ver, a partir das 21:00 horas, a simpática gerente do mencionado estabelecimento acomodada em uma das mesas do refeitório conversando com alguém. Na oportunidade desse lamentável e remoto encontro, conversava com o hóspede, empresário e amigo Holara, 42 anos. A gerente havia dito que era mais fácil haver união sem amor do que separação sem motivo. O divórcio do casal de amigos a deixou entristecida já que desprezavam cegamente o difícil passado vivido por eles. Delena, ganhando a vida numa portinhola, alisando cabelos e ele lavando automóveis. Afora desdobrarem-se nos estudos. Assim, ignorando tal passado, impulsionados por ridículos posicionamentos, atiravam toda uma conquista no lixo.

– Separação, meu amigo, é um indigesto prato popular. Portanto é preciso saber como digerir.

–…

– Qual fora o motivo do estopim? Somos amigos. – inquiriu ela.

–…

– De repente se viram como adolescentes. Ambos beirando a casa dos quarenta anos de idade, de repente, se veem como adolescentes. Caso estivessem vivendo como outrora, aposto que não se comportariam assim. Que se comportassem. No entanto, exceto com o rompimento do compromisso moral, nada mais perderiam. Mas a questão é dois duros não levantam muro.

Sobre as mesas sempre havia café fresco nas cafeteiras térmicas. Holara serviu a ambos e acenderam um cigarro.

–… Por que diz isso? − perguntou ele.

– Por que também tenho conhecimento da ingrisilha que envolvem vocês.

– O que sugestiona para que a ingrisilha seja desfeita?

– Mãos no juízo.

– Reconciliarmos?

– Por que não?

– Ofensas machucam mais do que agressão física.

– Não por experiência, mas agressão física também machuca… Pede-me para que sugestione como desfazer da ingrisilha. Mãos no juízo não agradou. Então, gostaria de que o segredo químico que você guarda consigo a sete chaves o qual lhes permitiram disputar mercado com gigantes concorrentes pertencesse a ela.

– De coração?

– Como também gostaria de que o terreno pertencente a Delena, adquirido de herança, onde, por ironia, a velha fábrica encontra-se instalada, pertencesse a você. Submissos andariam nos trilhos.

– A favor da submissão?

– Você não revela o segredo para ela. Delena, por sua vez, não cede o terreno para você. Um tesa de um lado. O da outra extremidade prática o mesmo. A corda não suportará e arrebentará, e os estúpidos tombarão de costas, inclusive sobre dependentes inocentes… Ontem passei pela porta da fábrica e o portão estava aberto. Havia na faixa uma espécie de oração. Um apelo para que vocês se reconciliassem. Quantos empregados a fábrica possui?

– 85.

– O que o juiz falou sobre isso?

O juiz, após ter ouvido a preferência das partes: a fábrica. Disse que decidiria quem ficaria com a mesma, ou com o imóvel de maior valor que possuíam para que assim houvesse compensação.

– Delena tem conhecimento da fórmula química que você mantém em segredo?

– Quem “doou-me” pediu-me para que mantivesse em segredo… Há também maldade em Delena – confessou ele.

– Estou ciente. Caso o juiz decida que a fábrica permaneça com você, será desapropriado porque o terreno ficou à parte da disputa.

– Isso.

–… Por que se odeiam?

– Onde instalarei a fábrica? Só obtínhamos permanência de funcionamento porque é antiga.

– Caso a fábrica fique com Delena, revelará o segredo?

Não cederia e nem venderia. Não alugaria e nem emprestaria… Por conta da intransigência, a pacificadora gerente balançou a cabeça. Holara consultou o relógio e disse que iria se recolher. Na manhã do dia seguinte teriam audiência.

– Reflita equilibradamente com a cabeça acomodada no confortável travesseiro que o hotel oferece. Na possibilidade de a Delena ficar com a fábrica, franqueie, ao menos, a fórmula química para que não tenhamos mais um imóvel abandonado motivado pela inflexibilidade. – pediu ela.

Holara desejou-lhe ótima noite e se retirou. No quarto, atendeu um telefonema. O advogado disse que havia mais uma particularidade A empresa possuía pesado passivo trabalhista. Contando a partir da data da assinatura do divórcio, teriam cinco anos de compromisso com tudo até então. Caso houvesse demissão coletiva ou fechamento da empresa, o ônus do ínterim seria de responsabilidade de ambos.

– Seria bom que vocês negociassem o trunfo da derrota do então inimigo, senhor Holara. O colega que representa a senhora Delena concordou comigo e conversou com ela. Ou a senhora Delena disponibiliza a venda do terreno para o senhor ou o senhor negocia com ela o segredo que possuiu. Caso isso não aconteça, a birra acabará de modo trágico. Advogo há quarenta anos sei o que estou dizendo.

– Ela se disponibiliza vender o terreno?

– O colega disse-me que está irredutível.

– O mesmo estou.

Ainda é possível se ver à margem da Rodovia Trepidante o hotel em que a simpática gerente trabalhou. A portinhola onde Delena alisava cabelo. O ensaio de uma praça onde Holara lavava automóveis bem como a edificação de uma fábrica em ruína. Qual das partes interessadas pela fábrica que o juiz atendeu? Pouco importa. Pois o resultado seria o mesmo. Holara e Delena, arruinados, deixaram o município seguindo caminhos opostos.